Apresentação Pública - Discurso do Presidente da Direção

Exmo. Senhor Diretor Regional da Saúde

Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo

Digníssimas Autoridades e seus representantes

Digníssimos Convidados

Minhas Senhoras e meus senhores

Sem sonhos, as pedras do caminho tornam-se montanhas, os pequenos problemas são insuperáveis, as perdas são insuportáveis, as deceções transformam-se em golpes fatais e os desafios em fonte de medo.

 Voltaire disse que os sonhos e a esperança nos foram dados como compensação às dificuldades da vida. Mas precisamos de compreender que os sonhos não são desejos superficiais. Os sonhos são bússolas do coração, são projetos de vida. Os desejos não suportam o calor das dificuldades. Os sonhos resistem às mais altas temperaturas dos problemas. Renovam a esperança quando o mundo desaba sobre nós.

John F. Kennedy disse que precisamos de seres humanos que sonhem o que nunca foram. Tem fundamento o seu pensamento, pois os sonhos abrem as janelas da mente, arejam a emoção e produzem um agradável romance com a vida.

 Quem não vive um romance com a sua vida será um miserável no território da emoção, ainda que habite em mansões, tenha carros luxuosos, viaje em primeira classe nos aviões e seja aplaudido pelo mundo.

Precisamos de perseguir os nossos mais belos sonhos. Desistir é uma palavra que tem de ser eliminada do dicionário de quem sonha e deseja conquistar, ainda que nem todas as metas sejam atingidas. Não se esqueçam que todos vocêsvão falhar 100% das vezes que não tentarem, vão perder 100% das vezes que não procurarem, vão ficar parados 100% das vezes que não ousarem andar.

 Se vocês tiverem de desistir de alguns sonhos, troquem-nos por outros. Pois a vida sem sonhos é um rio sem nascente, uma praia sem ondas, uma manhã sem orvalho, uma flor sem perfume.

 Sem sonhos, os ricos ficam deprimidos, os famosos aborrecem-se, os intelectuais tornam-se estéreis, os livres tornam–se escravos, os fortes tornam-se tímidos. Sem sonhos, a coragem dissipa-se, a inventividade esgota-se, o sorriso vira um disfarce, a emoção envelhece.

Liberte a sua criatividade. Sonhe com as estrelas, para poder pisar a Lua. Sonhe com a Lua, para poder pisar as montanhas. Sonhe com as montanhas, para pisar sem medo os vales das suas perdas e frustrações.

 Apesar dos nossos defeitos, precisamos de ver que somos pérolas únicas no teatro da vida e compreender que não existem pessoas de sucesso ou pessoas fracassadas. O que existe são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles.

A Associação “A Fraternidade que nos une” – Organização Não Governamental designada (ONG) é uma Associação, de cariz humanitário, sem fins lucrativos e de natureza privada.

Tem por finalidade a sensibilização da sociedade portuguesa e outras comunidades para os problemas sócio humanitários e sanitários, bem como prestar assistência às populações e pessoas desfavorecidas da comunidade dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), particularmente de Cabo Verde, em Portugal e nos países de origem.

Tem como objeto social:

1.            A Fraternidade que nos une (ONG) propõe-se prestar assistência nas áreas de saúde, implementando projetos de forma faseada, contínua e sustentável, em autonomia ou parceria e em coordenação e cooperação com as Entidades Locais e internacionais e com as demais envolvidas no planeamento e execução das respetivas Políticas Nacionais de Saúde.

2.            A Fraternidade que nos une (ONG) tem como áreas de intervenção as seguintes:

a.            Informação, sensibilização, promoção e educação para a saúde, – Promovendo campanhas de sensibilização na comunidade por agentes de saúde comunitária; Criar jornais murais com mensagens simples para afixação em locais públicos; Criar página ou coluna num jornal generalista e participar em programas televisivos e nas Rádios nacionais e comunitárias;

b.            Cuidados primários de saúde – Realizar rastreios de saúde nas várias áreas; apoiar os Centros de Saúde com consultas médicas; implementar a Saúde Escolar, a Medicina de trabalho; adquirir uma “Unidade Móvel de Saúde” para apoio dos Centros de Saúde, da Saúde Escolar e da Medicina de Trabalho;

c.            Cuidados secundários hospitalares – Colaborar com as Unidades hospitalares na capacitação e nos recursos humanos e materiais em regime periódico e temporário; mobilizar médicos especialistas nacionais na diáspora e estrangeiros para missões curtas, para realização de consultas e cirurgias nos hospitais nacionais;

d.            Serviços farmacêuticos, criar postos de distribuição de medicamentos (donativos da Indústria farmacêutica) gratuitamente.

A “Fraternidade que nos une” (ONG) iniciou em 2019 um projeto de longo prazo em Cabo Verde denominado “CabMed“.

Este projeto tem como objetivo participar na prestação de cuidados de saúde às populações de Cabo Verde de forma abrangente (Mindelo e outras regiões), faseada, contínua e sustentável, em parceria e em coordenação com o Governo do país e com as demais Entidades competentes envolvidas no planeamento e execução da Política Nacional de Saúde.

A fundamentação deste projeto baseia-se nos seguintes aspetos:

a.            Cabo Verde enfrenta desafios crónicos e constrangedores na área da saúde. Os constrangimentos têm sido vários, apesar de não se registar uma instabilidade institucional governativa. O perfil de saúde é caracterizado por acentuadas assimetrias regionais. A precariedade financeira do país leva a uma significativa necessidade de intervenção de entidades externas para manter um nível mínimo de prestação de cuidados de saúde à população.

b.            O regime de proteção Social é deficitário. A maior parte da população tem bastante dificuldade no que concerne ao acesso geográfico aos Serviços de Saúde. O acesso aos medicamentos essenciais é deficitário a nível público. O mercado de trabalho de saúde é dominado pelo sector público, cuja a distribuição dos profissionais de saúde não é harmónica. A formação de quadros locais está muito aquém das necessidades tanto ao nível de cuidados de saúde primários como secundários. A formação especializada não existe e a escassez e ineficiência de projetos de saúde estruturantes levou a uma massiva fuga de quadros profissionais na área da saúde.

Não obstante os vários constrangimentos identificados, é sobejamente reconhecido o empenho do Estado de Cabo Verde na concretização do seu Plano Estratégico para a Saúde, sendo de particular importância o contributo das parcerias bilaterais e multilaterais, nomeadamente, com o Banco Mundial, OMS, UNICEF, União Europeia, ONG’s, entre outras.

Conhecendo mais de perto a realidade sanitária de Cabo Verde e o esforço desenvolvido pelas Instituições de saúde Cabo Verdiana, acreditamos que a aplicabilidade do nosso projeto” CabMed”, poderá vir a constituir uma mais-valia, contribuindo para o bem-estar das populações, para a melhoria dos índices de saúde, para a minimização dos problemas e para a capacitação dos quadros e das Instituições de saúde locais.

Não queria finalizar sem deixar de mencionar as entidades que desde a primeira hora tem dado o seu apoio a este projeto, as quais passo a dar devida nota:

Camara Municipal de Angra do Heroísmo

Camara Municipal da Praia da Vitória

Marinha Portuguesa

Secretaria da Saúde

Secretaria da Educação e Cultura

Transinsular – Transportes Marítimos Insulares

Academia do Bacalhau de São Miguel

Academia do Bacalhau da Ilha Terceira

Sociedade de Transportes Ananias Contente e Filhos Lda

Portos dos Açores

Associação de Desenvolvimento Regional – GRATER

Associação Jovens Agricultores Terceira

Rui Melo

Associação Crescer e Viver

Accional Publicidade

Néné

 

MUITO OBRIGADO

1º Evento Solidário

              

No passado dia 16 de setembro embarcaram, na Corveta NRP João Roby, 151 caixotes com roupa que têm com destino a ilhas de São Vicente e Santo Antão. Esta é a primeira de muitas inciativas que a FraterUne tem previstas. Os caixotes, agora embarcados, já se encontram a bordo da Corveta NRP Sines que zarpara, rumo a Mindelo, a meados no próximo mês de outubro em missão.

Esta primeira iniciativa não teria sido possível sem a inexcedível colaboração da Marinha Portuguesa, das Academias do Bacalhau das Ilhas Terceira e São Miguel, bem como da AJAT e da Sociedade Transportes Ananias Contente e Filhos, Lda.

Todos graciosamente e com muito espírito solidário e fraterno foram capazes de colocar em marcha esta iniciativa.

 

A todos a FraterUne agradece.